segunda-feira, 14 de abril de 2014

Sinvastatina e feridas crônicas

Experiências com o uso de SINVASTATINA tópica para a cicatrização de feridas provocadas em ratos diabéticos foram publicadas em 2012. Ainda não temos notícia de recentes desdobramentos desse trabalho (ver aqui).
Por outro lado, matéria publicada no BJD – British Journal of Dermatology em fevereiro do corrente, sugere que a Sinvastatina oral, na dose de 40mg/dia, pode ser um novo agente no tratamento das úlceras venosas.
leda_souza_antonio-001-3
Foi a conclusão do estudo aplicado em 66 pacientes portadores de úlceras venosas, randomizado, com 32 deles fazendo uso de 40mg/dia de sinvastatina e os outros 34 servindo de controle. Foram escolhidas úlceras não infectadas com área igual ou menoR do que 10cm e a terapia compressiva, padrão ouro para esse tipo de ferida crônica, foi aplicada nos dois grupos e o tempo de tratamento foi de 10 semanas.
O tempo de cicatrização foi significativamente menor no grupo sinvastatina. Neste grupo 72% estavam com suas feridas cicatrizadas contra 32% no grupo controle, no mesmo intervalo de tempo. A acreditar nesses resultados, já podemos considerar que a Sinvastatina poderá representar uma terapia coadjuvante promissora para esses pacientes. Vamos acompanhar esses estudos.